ÁREA DO ASSINANTE






Atualizado em 23/08/2017

A prática é a mesma - Paulo César De Oliveira

Alguém aí do “centrão” ou de outros “aos” ou “inhos” que possam existir no Congresso poderia vir a público para dizer por qual razão ele e seus aliados são contra determinado projeto, mas, se lhes derem cargos ou emendas, não se envergonham em trocar de posição e votar de acordo com a ordem do Executivo. Emendas, vá lá, ainda se compreende, pois representam, normalmente, obras ou distribuição de algo para suas bases, mas cargos! Pelo que se viu, alguns representaram muito dinheiro, muita propina, mas será que ainda representarão?

Assistindo a este tipo de comportamento, qualquer eleitor de bom senso deve ficar desanimado. Mas é com gente assim que vamos formar Congresso e assembleias legislativas para mudarem o Brasil, acabarem com as safadezas, implantar a moralidade e fazer o País avançar? Francamente, não dá para acreditar em qualquer melhoria, mas mudança geral na nossa forma de fazer política. Maus legislativos, em todos os níveis, travam o Executivo, colocam um pé na porta do Executivo, pois são eles que fazem as leis. Têm o poder de mudar o que possa atrapalhá-los.

Como disse certa vez um senador baiano, ameaçando o Supremo Tribunal Federal, “nós aqui acabamos com o Supremo e o Supremo não fecha o Legislativo”. Claro, fez uma bravata que, no fundo, tem seu conteúdo de verdade. É esta força que têm e que usam mal, em pequenas barganhas, que nossos congressistas estão manobrando para promover a tal reforma política que outro benefício não traz que não praticamente assegurar os que já são, a permanência em seus cargos.

Claro, há exemplos de parlamentares, tanto no Congresso quanto nas assembleias, que enfrentarão mais dificuldades – muitos já sabem que se aprovadas as propostas da reforma - não terão qualquer chance – mas a esmagadora maioria dos caciques já pode mandar fazer o terno da nova posse. Contra a força não há resistência. Ás vezes, fica difícil até para o eleitor.

 

(*) Diretor-geral das revistas Viver Brasil e do jornal TudoBH

Para ler a coluna completa Assine aqui o JN Notícias

Comentários