ÁREA DO ASSINANTE






Atualizado em 02/03/2017

Suruba Geral - Edgar Antunes Pereira

O Brasil virou uma zona. O executivo, legislativo e judiciário cuidam da farra geral. Nesta orgia somos putas, pois, só levamos ferro.

Como toda casa de tolerância, cada uma oferece o que tem. O executivo oferece obras superfaturadas a empreiteiros. O alto judiciário o respaldo legal como salvo conduto. O legislativo oferece leis que beneficiam empresas a quem queira comprá-las. Todos usam os serviços especializados de proxenetas profissionais. 

Como em todos os prostíbulos, há divergências, disputas e brigas internas. Sempre há um proxeneta descontente disposto a dedurar, a abrir o bico. Assim, como no Mensalão e na Lava-jato e mais outros escândalos a surgirem ainda.

Agora um novo episódio. Desentendimento entre o legislativo e o alto judiciário provocado pelo clamor das ruas que se manifesta contra o foro privilegiado, depositário de processos de políticos safados à espera de caducidade. Verdadeira fornaria, onde tudo vira pizza.

Ilustrou bem este lance a fala bordeleira do líder do governo no Congresso, o senador Romero Jucá, listado como Caju na relação de capilés – como Ivan Lopes gostava de chamar as vantagens ilícitas - encontrada pela Polícia Federal no “Setor de Operações Estruturadas”, eufemismo para o “departamento da propina” da Odebrecht?

“Se acabar o foro, é para todo mundo. Suruba é suruba. Aí é todo mundo na suruba, não uma suruba selecionada”. Deu seu recado ameaçador em orgia metafórica.

Enquanto permanecer esta forma de governo que privilegia a rapinagem e o poder a qualquer custo, o povo, a utilizar o mesmo linguajar bordelengo, povo tá fudido.

Não acredito que haja mudanças, nas próximas décadas, com esta canalhada no poder. São sucessões de safados que se sucedem sucessivamente a gerações, abusei do pleonasmo apenas para mais enfatizar. São os Tadeuzinhos a suceder Tadeus, Renanzinhos a Renans, Brizolas, Neves, Sarneys, Barbalhos, etc. De tal forma que quase da metade do Congresso  Federal são herdeiros políticos criados a exemplo dos pais para se eternizarem no poder. Carrapatos de tetas da Pátria amada.

Não há um só político honesto em Brasília se eleito foi contaminou-se. Precisamos urgente de um novo poder forte o bastante para fazer as reformas que o País precisa e impor a ordem e autoridade o quanto antes. Moro e Bretas sozinhos não dão conta.

Quero de novo sair de casa e deixar as portas e janelas abertas, quero que meus filhos e netos possam andar pelas ruas despreocupados, sem serem vítimas fatais de bandidos, que banalizam a vida e matam por um celular, um tênis. Pelo prazer de mais uma vítima.

Basta!

É hora de ocupar as ruas, de indignar, gritar, quebrar, exigir um governo provisório que seja até militar do exército de Caxias e Castelo Branco. Chega! É hora de fechar o congresso, de prender e cassar essa corja que tomou o poder há gerações e não tem planos de sair.

É passada a hora de instituir nova constituição, onde de fato o poder emane do povo.

(*) Jornalista

 

Para ler a coluna completa Assine aqui o JN Notícias

Comentários