ÁREA DO ASSINANTE






Atualizado em 03/10/2017

Comentários – Benedito Said

GRADE - Em Montes Claros, e não é de hoje, escolas e postos de saúde têm sido vítimas de assaltantes. Arrombam e carregam o que lhes permitir. No entanto, a tomada de assalto, que ocorre em bancos, residências, comércios e até igrejas, compreende-se pelo comportamento da bandidagem. Mas quando é registrado vandalismo, invasão apenas para destruir, profanar, expõem-se a nossa miséria social, intelectual e bestial.

BRINCAR - A Escola Municipal Afrânio Coutinho, na Vila Anália, programou para esta semana nova temporada de festas paras crianças, bem na semana separada para elas. No sábado para domingo, vândalos invadiram a escola para destruir, levar merenda e os brindes para a Semana da Criança. A invasão foi lamentável, causou impacto emocional, mas não intimidou nem a diretora da escola nem professores. Na segunda-feira pela manhã, mesmo sem os brindes, os alunos participaram de um bingo recreativo antes da merenda ser servida. Reinava a alegria inocente de quem navega em favor de ventos melhores na vida. A comunidade ficou ao lado da escola, mostrando um aspecto importante da solidariedade.

AULA - Tanto assim que hoje e até quinta-feira, na Escola Técnica, mais de mil alunos da rede municipal de ensino passará por gincana de aferição de conhecimento com vistas à Prova Brasil, inferência de conhecimento patrocinada pelo Ministério da Educação. Nos últimos meses, a rede municipal de ensino passou por severo monitoramento de conhecimento e aplicação de metodologias visando ao melhor desempenho dos alunos avaliação do <MEC, elevando o IDEB municipal. Agora, a preparação, que teve vários simulados, passa por seu teste final antes da Prova Brasil. Essa mobilização de professores, supervisores, técnicos e, afinal, de toda a rede municipal de ensino é para abraçar aqueles melhores ventos para a vida citados no tópico acima.

VENDA - No norte de Minas existem mais de 110 mil micros e pequenos empreendedores. Muitos deles estão vinculados à expertise disseminada pelo Sebrae, o que facilita a modernização e continuidade dos negócios. Hoje em dia, as facilidades para se tornar empreendedor individual, com baixíssimo custo, ajudam para que mais pessoas saiam do anonimato e da informalidade. Para auxiliar os antigos e novos microempreendedores, o Sebrae inicia hoje a Semana da Micro e Pequena Empresa, levando informação para ser transformada em conhecimento para aplicar no mercado de produção de mão de obra e renda.

VOTO - O que está faltando de novas lideranças políticas em Montes Claros é sinal do que ocorre pelo país afora. São os mesmos dos mesmos. No cenário legislativo, se não há personagem inédito, os antigos vão se mantendo com discursos que seguem a mesma toada há tempos. Mas é assim mesmo, pois os novos agem também como os antigos, não agregando postura inovadora, salvo algumas raríssimas exceções. Os discursos em câmara municipais, nos legislativos estaduais e na esfera federal são pobres e sem compromisso. Mas, afinal, todos lutam apenas numa campanha do poder pelo poder.

NOVATO - A população de Montes Claros, pelo se depreende das ruas, já toma muito gosto pelo jeito de governar do prefeito Humberto Souto. Mesmo diante de uma saraivada de críticas no início da administração, Humberto optou pelo que agora se enxerga como muito melhor: organizou a casa, colocou azeite nas engrenagens emperradas e guardou mantimento para as horas de necessidade e trabalho, como agora, em que as obras começam a deixar o limbo e sair do papel. Fortaleza aos 83 anos, Humberto tem dito que fará um governo para todos, sem perseguição, e com as obras necessárias para a população. ‘É a maneira nova de governar, sem favores, sem trocas eleitoreiras, mas com obras necessárias para o povo. Nós vamos fazer um grande governo, e honesto, para o povo de Montes Claros. Podem crer nisso. Não é de grandes obras, mas as que são essenciais.”

FORA - Há muitos anos a Bacia do São Francisco vem sendo decantada como campo de riqueza de reservas de gás natural. De fato, as prospecções feitas há quatro anos mostraram que há gás natural na região. No entanto, os estudos, guardados a sete chaves, ainda não foram reveladores do custo/benefício da empreitada de se explorar essas jazidas. No Triangulo Mineiro, uma base foi explorada e vai bem. Mas as outras fontes mapeadas em São Romão, Buritizeiro, Montes Claros, Coração de Jesus e Januária ainda são uma incógnita. Pode haver gás apenas o suficiente para fazer barulho, mas não “será rentável”, afirma um técnico que participou da maratona de prospecção no norte de Minas. Pelo jeito, ou há muita riqueza e a patuleia ignara dela não precisa ter conhecimento ou trata-se apenas de pirotecnia, claro, com todo respeito ao fogo.

Para ler a coluna completa Assine aqui o JN Notícias

Comentários