ÁREA DO ASSINANTE






Atualizado em 11/09/2017

Acontece em política – Hélio Machado

Depoimento comprometedor

A Operação Lava Jato, que funciona como espécie de processo para começar a passar o País a limpo, e combater mais efetivamente a corrupção, pode apresentar novidades em futuro próximo. O depoimento do ex-ministro Antonio Palocci, homem de confiança do ex-presidente Lula, ao juiz Sérgio Moro, movimentou os bastidores da Operação e também da política. Pode ensejar novas versões da Lava Jato, para aprofundar as investigações. O ex-ministro, demonstrando conhecimento de causa, relevou, em depoimento de duas horas, fa tos que podem comprometer e muito o ex-presidente Lula e a ex-presidente Dilma Rousseff.  Além do que, se colocou à disposição para passar novas informações, visando a contribuir para com o trabalho do Judiciário. A manifestação é interpretada, num primeiro momento, como aceno de que deseja estabelecer acordo de delação premiada.

Se a delação do ex-ministro se confirmar, como parece haver sinalização clara, pode complicar a vida de suspeitos de envolvimento no maior escândalo de corrupção do país. Para ser delator, o primeiro passo é manifestar oficialmente o interesse em fazer o acordo. Depois, na presença de advogados e procuradores, o réu revela o que tem para delatar. Se avançar, as partes assinam termo de confidencialidade para evitar vazamentos. Só depois que a delação for homologada pela Justiça é que as informações po derão ser usadas nas investigações. Junto com os depoimentos, o delator tem que apresentar provas e documentos. Em troca, recebe pena mais leve. A força-tarefa não comenta supostas negociações. A defesa de Antonio Palocci afirma que não tem conhecimento sobre possível acordo, mas que o cliente é lúcido e tem opinião e vontade próprias sobre todas as coisas. O que se comenta nos bastidores é que o ex-ministro pode revelar esquemas de corrupção fora do mundo das empreiteiras. Ex-ministro nos governos Lula e Dilma, Palocci conhece a fundo as engrenagens do partido e os corredores do poder em Brasília. Sem cargo nem mandato, virou alvo da Lava Jato na Justiça Federal do Paraná.

COLIGAÇÕES - Aos trancos e barrancos, a reforma política avança no Congresso Nacional. O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nessa terça-feira o texto principal da Proposta de Emenda à Constituição (PEC), do Senado, que veda coligações para eleições proporcionais e cria cláusula de desempenho para o acesso de partidos ao Fundo Partidário e ao tempo de propaganda em rádio e TV. A proposta, relatada pela deputada Shéridan, do PSDB-RR, teve 384 votos favoráveis e 16 votos contrários, em votação em primeiro turno. Para va ler a partir de 2018, a proposta tem que ser aprovada pelos deputados e senadores antes de 7 de outubro.

PROGRAMA – Cumprindo o sexto mandato consecutivo à Assembleia Legislativa, o deputado Carlos Pimenta, do PDT, presidente da Comissão de Saúde do parlamento mineiro participa do Programa Na Corda Bamba, na TV Geraes, canal 2, neste sábado, ao vivo, das onze horas ao meio dia. Mais uma vez ele falará sobre a situação crítica da saúde e a falta de comprometimento do governo estadual e federal para com o setor. Além disso, o pedetista abordará a crise hídrica e reafirmará críticas à Copasa, feitas na tribuna da AL, no início desta semana. Previsão de programa movimentado. Participação pelos telefones 3221-9498 e 3216-6385.

CRISE – Sem uma posição firme do Município, enquanto poder concedente, que prefere deixar as coisas acontecerem, sem chamá-la à responsabilidade, a Copasa tenta, agora, medidas emergenciais para garantir o abastecimento na cidade. Corre contra o tempo na esperança de compensar a omissão registrada há anos, em que não se preocupou em adotar ações preventivas para garantir água nas torneiras, mesmo consciente de que a maior certeza que temos por aqui é a seca. A Copasa se preocupou apenas com os lucros expressivos em mais de 30 anos de exploração dos serviços de água e esgoto em Montes Claros, como sucessora da extinta Caemc.

CALAMIDADE – A crise hídrica se tornou o principal tema da Câmara Municipal, nos últimos meses. Em todas as reuniões ordinárias, a questão é abordada com ar de extrema preocupação pelos vereadores, em pronunciamentos na tribuna, em que cobram da Copasa ações concretas para se resolver o problema. Na reunião dessa terça-feira, o vereador Raimundo do INSS, do PDT, que cumpre o quinto mandato consecutivo, sugeriu à administração municipal que decrete situação de calamidade pública por este motivo. Mas o prefeito Humberto Souto, do PPS, fez de conta que não é com ele. Mais uma vez preferiu fazer ouvidos de mercador em relação à questão tão séria.

DESFILE – Mesmo com o forte calor, o desfile cívico-militar de 7 de Setembro, em trecho da Avenida Sanitária, em frente à antiga Papaula, foi bastante movimentado, com a presença de centenas de pessoas, que mantiveram a tradição de prestigiá-lo. O prefeito Humberto Souto, do PPS, desfilou em carro do Exército, ao lado do comandante do 55º Batalhão de Infantaria, tenente-coronel Dos Anjos e do coronel Klevson Pires Martins, comandante da 11ª Região da Polícia Militar. O chefe do Executivo montes-clarenses foi vaiado ao acenar pelos presentes, mas também foi aplaudido. As vaias, por certo, demonstram a insatisfação com seu governo.

EX-PREFEITO – O ex-prefeito Ruy Muniz, que andava sumido, foi uma das atrações do desfile de 7 de Setembro na Avenida Sanitária, nessa quinta-feira. Reapareceu de bicicleta, carregando a esposa, a deputada federal Raquel Muniz, do PSD. O casal recebeu vaias, mas também aplausos. Ruy chegou a ser assediado por algumas pessoas com quem tirou fotos. Sem conseguir concluir o mandato, pelo fato de ter sido afastado pela Justiça Federal, o ex-chefe do

Executivo sinaliza que pretende ser candidato a prefeito, de novo, em 2020. Mas corre o risco de ficar de fora, caso seja condenado em um dos processos a que responde, pela Justiça de segundo grau.

TREMOR – Depois de algum tempo de trégua, a terra voltou a tremer em Montes Claros. Moradores acordaram assustados nessa quarta-feira, véspera do feriado da Independência. Às 6h9, mais um tremor de terra foi registrado no município. Análise preliminar do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (Obsis/UnB), o tremor teve intensidade de 2,1 na Escala Richter. O fenômeno também foi detectado por outras estações. O último tremor, de 2 pontos, na cidade, havia sido registrado na noite de 4 de maio. Até então, o último abalo percebido pela população havia sido em abril deste ano.

SEMÁFOROS – Em vez de se preocupar com a punição pecuniária dos infratores no trânsito, a MCTrans precisa adotar medidas simples, que fazem a diferença para motoristas, motociclistas e pedestres. Uma delas é fazer periodicamente a limpeza dos semáforos, para facilitar a visualização. A observação foi feita pelo competente médico urologista, Luiz da Paixão Fernandes, em conversa com o titular da coluna. Ele fez a reivindicação à MCtrans, mas não foi atendido. O médico chama a atenção para o fato de que os semáforos estão cheios de fuligens, o que dificulta a visão, podendo até causar acidentes.

Para ler a coluna completa Assine aqui o JN Notícias

Comentários