ÁREA DO ASSINANTE






Atualizado em 06/09/2017

Acontece em política – Hélio Machado

Pressão no Congresso

A aprovação de importante projeto que tramita no Congresso Nacional, visando incluir mais 83 municípios do Norte de Minas no semiárido, precisa de ampla mobilização política das lideranças da região e do Estado. Esta necessidade ficou mais do que evidente durante a audiência pública realizada pela Câmara Municipal, nessa sexta-feira, em que se discutiu sobre o projeto, que tramita na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, presidida pelo deputado Rodrigo Pacheco, do PMDB de Minas. A necessidade de mobilização é porque o Nordeste discrimina Minas e não vota os projetos que o beneficia. Entretanto, quando ele precisa de apoio, recorre aos mineiros , mas a recíproca não é verdadeira. Assim, o Nordeste só quer se beneficiar, mas não quer dar a parcela de colaboração para que a área da Sudene em Minas também seja beneficiada. Aliás, não é de hoje que os nordestinos veem com restrições a presença de Minas na Sudene, alegando que se trata de estado rico, mesmo sabendo que existem as Minas e os Gerais. Isto é, as regiões ricas e as pobres. Estas últimas com características similares ao Nordeste.

A inserção destes 83 municípios mineiros no semiárido é defendida porque todos apresentam as mesmas características dos demais que estão nesta condição. Não dá para entender, em condições normais, porque ficaram de fora, porque apresentam os mesmos problemas dos outros, sofrem tanto com os efeitos da seca até mais do que os que já integram o semiárido. Imagina-se que estão de fora mais por questão política. Ficou claro, na audiência, que não é fácil aprovar o projeto na Câmara e no Senado. Assim, tem que haver mesmo ampla mobilização das lideranças políticas e classistas para pressionar a bancada do Nordeste a ajuda r a aprová-lo na CCJ, em caráter terminativo. Isto significa que ele não precisa ser apreciado pelo Plenário da Câmara. Vai direto ao Senado, exigindo também, ampla mobilização para aprová-lo. A inclusão no semiárido garantirá importantes benefícios aos municípios. Vale à pena lutar.

 

PRÉ-CANDIDATO – Apesar das divergências, o PSB de Minas Gerais sinaliza que articula em busca da unidade para a disputa do governo do Estado, nas eleições do próximo ano. E isto ficou mais evidente nesse sábado quando o partido realizou convenção em Belo Horizonte e confirmou o nome do ex-prefeito da Capital, Marcio Lacerda como pré-candidato à sucessão do governador Fernando Pimentel, do PT. Lacerda vem fazendo périplo pelo interior do Estado em busca de apoio para viabilizar seu projeto político. Esteve recentemente em Montes Cl aros e outros municípios da região.

ATAQUES – Quando se imaginava que o governador Fernando Pimentel, do PT e o vice-governador Antônio Andrade, do PMDB, estivessem próximos de voltar a fumar o cachimbo da paz, registra-se justamente o contrário. Substituto eventual do governador e presidente do partido em Minas mostrou que não quer acordo com o petista, ao virar a metralhadora giratória contra ele. E o fez ao participar do Encontro Regional de Prefeituras, em Juiz de Fora, na semana passada. O peemedebista quer disputar as eleições do próximo ano. Sinaliza que está de olho em uma das vagas do Estado no Senado.

SALÁRIOS – Em discurso infamado, com ares de candidato, Antônio Andrade declarou que o petista não vem fazendo “nada” para os municípios e criticou o fato de alguns “secretários de Estado receber salários de R$ 50 mil, pagos rigorosamente em dia”, enquanto a remuneração de servidores tem atrasado. Andrade disse ainda que o governo vem pagando apenas 60% da cota do ICMS devido aos municípios. O presidente do PMDB estava acompanhado do deputado federal Rodrigo Pacheco, do PMDB, que percorre o interior com o vice de olho na candidatura a o governo de Minas em 2018.

SUPER – Embora ainda não haja confirmação, o superintendente da Sudene, Marcelo Neves, pode vir a Montes Claros neste mês, participar de mais uma edição da Feira Nacional da Indústria, Comércio e Serviços (Fenics), realizada pela Associação Comercial, Industrial e de Serviços (ACI), presidida pelo empresário Newton Figueiredo, no Parque de Exposições João Alencar Athayde. A pretensão é que ele venha mostrar aos empresários que a Sudene dispõe de recursos do FNE e do FNDE para financ iar a implantação de indústrias em sua área de atuação, para fortalecer a economia e gerar mais empregos.

REUNIÃO – Com apenas três projetos em pauta, sem perspectiva de polêmica, a Câmara Municipal realiza mais uma reunião ordinária, nesta terça-feira, a partir das oito horas da manhã, sob a presidência do vereador Cláudio Prates, do PTB. A tendência é de que todos sejam aprovados sem maiores dificuldades e, se houver necessidade, até em regime de urgência. Além disso, para não perder o costume, os vereadores vão cobrar, de novo, da administração municipal, a execução de pequenas obr as e serviços em suas bases eleitorais, na zona urbana e rural, para melhorar a qualidade de vida da população.

FEDERAL – Ex-presidente da Comissão de Minas e Energia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, deputado Gil Pereira, do PP, é bem relacionado em Brasília E este relacionamento aumenta à medida que ele é presença constante na Capital Federal, em contato com órgãos do governo federal, visando à defesa dos interesses de Montes Claros e do Norte de Minas como um todo. Por conta disso, surge o comentário de que o parlamentar poderia concorrer à cadeira na Câmara dos Deputados, nas eleições do próximo ano. Por enquanto, Gil prefere não se manifestar. Não diz que sim, nem diz que não.

LIXO – Não é só na zona urbana que a população está incomodada e reclama da deficiência na coleta de lixo, que tem deixado a cidade suja. O problema também se registra na zona rural, imagina-se até com mais intensidade, porque não há coleta de jeito nenhum nos distritos. Preocupados com a situação os moradores da zona rural pedem providências à administração municipal, mais especificamente à Secretaria de Serviços Urbanos, comandada por Vinícius Versiane. A expectativa é de qu e seja estabelecido calendário de coleta do lixo nos distritos. O meio ambiente por certo agradecerá a medida.

REUNIÃO – Eleito ano passado para cumprir o primeiro mandato à Câmara Municipal, o vereador Leão, do PSDC, mantém o prestígio em alta na região da Vila Sion, sua principal base eleitoral. Isto se confirmou em reunião realizada semana passada, naquela região, para se discutir as principais demandas e que contou com a participação de mais de 300 moradores, que foram pedir, mas também externaram apoio ao trabalho dele, que apresenta resultados positivos nestes oito meses de legislatura. A reunião teve ainda a presença de secre tários municipais. Tendo a simplicidade como traços marcantes, Leão vai comendo o mingau pelas beiradas.

Para ler a coluna completa Assine aqui o JN Notícias

Comentários