ÁREA DO ASSINANTE






Atualizado em 04/09/2017

Comentários – Benedito Said

ARADO - De sete a dez de setembro ocorre na Praça de Esportes feira de arte e cultura dos povos de assentamentos. Será espetáculo com reunião da diversidade dos povos que sem mantêm ligados umbilicalmente às raízes comunitárias.

ROSA - Montes Claros prepara a sua Parada LGBTS com ares de inclusão total. O prefeito Humberto Souto reuniu-se com os organizadores e mandou um recado esclarecedor: “nada de discriminação, temos que acabar com essa visão discricionária no seio da vida das pessoas (...) não se pode mais entender uma sociedade que discrimina, usa violência, não compreende”. Foi o que relatou um dos organizadores do evento.

TEMPO - Em Cartas da Humanidade, um livro traduzido por Márcio Borges, pesquisador das escritas à mão, há o registro do “Interrogatório do travesti John Rykner (1395)”.  Esse documento foi trazido à luz David Lorenzo Boyd e Ruth Mazo Karras em 1995. É aparentemente o único documento de processo legal do último período da Inglaterra medieval sobre relacionamentos do mesmo sexo. O registro diz apenas “Exame de dois homens acusados de imoralidade, um dos quais implicou várias pessoas, homens e mulheres, de ordens religiosas”. Assim, esse caso é uma fonte rara para a história de travestis e homossexualidade ativa entre pessoas na Inglaterra medieval.

ADORNO - O documento medievo mostra que John Rykner ultrapassava o seu tempo e também se apresentava como “Eleanor, tendo sido detido trajando roupas de mulher”, mas atuava também “como homem”, ganhando dinheiro ou trabalhando. O relato indica que ricos e religiosos o procuravam porque “eles desejavam dar-lhe mais que os outros”. Mas a punição não fugia nunca da severidade, já que se entendia que “aquele vício era inominável”.

AUDIÇÃO - O vereador Leão promoveu reunião com comunidade na quinta-feira última na Escola Municipal Sebastião Mendes, Alto da Boa Vista, saindo ovacionado pela população. Acertou no tempo, mesmo com sua exuberante simplicidade de líder popular. Com presença de secretários municipais, a reunião não teve ritualismo de audiência pública, mas permitiu que populares apresentassem reivindicações sem aquelas cobranças comuns de que tudo se resolve na base da força e do discurso vociferante. Daí nasceu um planejamento de ação, mesmo que a longo prazo. O vereador disse que pavimenta o terreno para o futuro. É verdade, já que o afogadilho de agora pode redundar em esquecimento do depois. Quem tem pressa comi cru, concluiu.

FALA - Quando as audiências públicas ganharam corpo na década de 1980, os vereadores não levavam secretários ou prefeitos às reuniões. A ideia era pegar do povo o que o povo queria para que, então, o executivo fosse acionado, mas com os vereadores sendo a voz da população. Depois, o assistencialismo imediatista mudou o roteiro, com excesso de audiências, o que acabou gerando descrédito na população, que enxergou naquele exercício apenas desejo de palanque eleitoreiro.

TRABALHO - Se considerado o início do ciclo recessivo no segundo trimestre de 2014, conforme os critérios da Fundação Getúlio Vargas, a construção amarga encolhimento de 21% em três anos. O desempenho, digno de uma depressão econômica, está diretamente relacionado ao colapso das contas do governo, que derrubaram as obras públicas, e aos escândalos de corrupção que atingiram as grandes empreiteiras. A indústria de transformação, que acumulou queda de 18,7% até 2016 (moderada agora para 17,7%), já vinha em crise antes de 2014, com dificuldades para competir com a produção estrangeira.

LOJA - Os dados da FGV indicam que o comércio teve melhora expressiva no segundo trimestre, mas sua renda ainda é 15,6% menor que a do primeiro trimestre de 2014. Sua recuperação é a mais promissora, devido à queda da inflação e dos juros, além do avanço gradual do emprego. Juntas, as três atividades representam 29,8% do Produto Interno Bruto, a medida da produção e da renda total do país.

FONE - As vendas de smartphone no País cresceram 11,7% em volume no segundo trimestre deste ano, em relação ao mesmo período de 2016, segundo o IDC. Foram comercializadas 12,1 milhões de unidades. A projeção para este ano é que haja uma alta de 12% em unidades comercializadas e de 8% em valor, aponta o IDC — uma proporção rara, pois a receita costuma crescer acima do volume. Pode faltar até arroz, mas telefone de última geração aí já demais.

Para ler a coluna completa Assine aqui o JN Notícias

Comentários