ÁREA DO ASSINANTE






Atualizado em 01/09/2017

Comentários – Benedito Said

ÊXODO - Em latim, o verbo intransitivo exundõ, em sentido próprio, é “correr abundantemente para fora, transbordar. Em sentido figurado ganha conotação de “ser transbordante”. De qualquer forma, êxodo é saída. Taís palavras, no entanto, guardam umbilicalmente seus amores na origem. Assim, exuõ (verbo transitivo) permite entender despir, despojar, mas vale também para “pôr de lado, abandonar, desembaraçar-se, livrar-se”, conforme Ernesto Faria, Dicionário Latino-Português. Essas palavras quando sorvidas da fonte podem oferecer subsídios para compreender a sonoridade atual, apesar de dialetos e abreviações preguiçosas de quem não quer delongar-se na comunicação.

SAÍDA - Pois a educação está sofrendo grave revés de esvaziamento. O ensino médio afunila como se não fosse mais compatível com a realidade que pede inserção mais veloz e adaptada aos próprios anseios da empregabilidade. Claro, no entanto, que o esvaziamento de algumas escolas, como registrado em Montes Claros, se deve também ao avanço populacional na periferia, deixando áreas populosas antigamente com rosto muito mais comercial na atualidade do que residencial. Fora isso, a população envelhece sem reposição de peças.

VAZIO - Mesmo que o cadastro escolar realizado pelo estado em comum acordo com o município de Montes Claros aponte para um universo de 91 mil alunos, sendo 31 mil mais ou menos da rede municipal, a quantidade de novos estudantes não ultrapassou a marca de quatro mil. Neste ano (podem esperar barulho), o cadastro foi on-line e o endereço da família passou a ser referencial. Anteriormente, devido à norma do governo de Minas Gerais, estudar em escolas no centro da cidade, como as estaduais Gonçalves Chaves, Francisco Sá, Carlos Versiane e Dom João Antônio Pimenta, tinha como critério de inclusão as famílias cujos membros trabalhavam na área comercial central. Isso acabou.  Agora vale o endereço da família. Como a maioria morava em bairros, inclusive os mais afastados, o cadastro escolar vai escolher naturalmente os bairros em que as famílias residem.

VISÃO - Mesmo assim, o cadastro escolar detectou muitas famílias residindo nos bairros centrais, como Todos os Santos. Segundo os membros do cadastro, haverá necessidade de averiguar os endereços dos inscritos. A resolução do governo estadual não permite outra opção senão a privilegiar a área em que o cidadão reside para indicar a escola na mesma região.

CASA - Algumas escolas centrais ou em bairros menos periféricos estão sofrendo processo de esvaziamento grave. Houve uma migração das famílias para área menos próximas ao centro comercial, permanecendo nesses pontos quem já se formou ou não mais necessita, principalmente, do ensino médio. Escolas estaduais tradicionais, como Dulce Sarmento, sofrem com essa mutação. O Dulce Sarmento, dos professores Egídio Cordeiro, Edite Bastos, Petinati, Édson e de tantos outros, tem 17 salas, 11 ocupadas pela manhã e apenas quatro à tarde. À noite, nada. O educandário Armênio Veloso, no Bairro de Lourdes, tem 13 salas, 10 ocupadas pela manhã, quatro à tarde. O tradicional Filomeno Ribeiro sofre com o mesmo esvaziamento.

EXEMPLO - O fenômeno que agora se registra em Montes Claros, com esvaziamento de escolas centrais, exibindo seus prédios necessitando de nova destinação, ocorre em cidades maiores há mais tempo. Belo Horizonte e Uberlândia já conviveram com essa situação, e que será mais explicita com o novo cadastro on-line e normas do governo estadual. Por um lado, são decisões importantes para que o êxodo escolar seja revertido e, ao mesmo tempo, se estude uma educação mais adequada aos tempos atuais, velozes e também on-line.

BOI - Mas mudando de pau para espeto, em mais uma semana, o mercado físico do boi gordo registrou altas quase que generalizadas de preços entre as principais praças pecuárias do país e, a principal condição a este cenário continua sendo a escassez de oferta de gado pronto para abater. O avanço do período da entressafra e o menor volume de animais oriundos do primeiro giro de confinamento faz com que cresça o número de plantas frigoríficas com dificuldade em preencher suas escalas de abate, mesmo oferecendo em muitos casos preços mais altos. A informação é do Informa Econmics.

PASTO - A retenção de animais já terminados também parece ser outro fator de grande relevância, pois claramente agrava o já ajustado quadro de oferta. Para etapa final de agosto e durante as primeiras semanas de setembro, o mercado físico deverá se manter francamente comprador e com ambiente firme em termos de preços. Enquanto isso, em plena entressafra, o preço da carne sobe como fogo em tempo de queimada.

Para ler a coluna completa Assine aqui o JN Notícias

Comentários